Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

25 de Outubro de 2020 as 01:10:13



CHILE vai às Urnas por uma nova Constituição, neste domingo



Chilenos decidem nas urnas se querem nova Constituição em substituição à Constituição do ditador Pinochet, em vigor.
 
Os chilenos votam neste domingo, 25.10, se querem substituir a Carta Magna estabelecida pela ditadura militar do Chile (1973-1990). Esta era uma das principais demandas da população após os massivos protestos contra as desigualdades sociais no ano passado.
 
Cerca de 14,8 milhões de cidadãos foram convocados para o processo eleitoral.
 
No plebiscito de domingo, os chilenos precisam responder a duas perguntas. A primeira é a escolha entre "aprovo" ou "rejeito" para mudar a Constituição.
 
Depois, eles precisam assinalar se o novo texto constitucional deve ser escrito por 155 cidadãos eleitos, ou por 85 e um número igual de parlamentares.
 
De acordo com uma publicação da Istoé, as pesquisas de intenção de voto mostram um apoio avassalador à reforma da Constituição (cerca de 80%) e à convocação de uma constituinte exclusiva (aproximadamente 60%).
 
A Constituição do Chile de 1980, de cunho liberal, abriu as portas de uma série de segmentos da economia chilena para o setor privado. Saúde, educação e previdência social foram privatizados.
 
Em 2019, porém, diante das inúmeras manifestações de rejeição à desigualdade social no país, os políticos e o presidente Sebastián Piñera anunciaram a convocação de um plebiscito.
 
Se o "aprovo" vencer o referendo deste domingo, 25.10, em abril de 2021 os redatores da nova Constituição serão eleitos. No segundo semestre de 2022, os cidadãos do país vão participar de outro referendo para aprovar ou rejeitar o novo texto.
 
Se for rejeitada, a Constituição da ditadura militar vai continuar em vigor.
 
Campanha eleitoral
 
Terminou à meia-noite desta 6ª feira, 23.10, a campanha eleitoral para o plebiscito sobre a reforma da Constituição do Chile. A oposição, que defende um novo texto, promoveu dois comícios: um em frente ao Palácio de la Moneda, sede da presidência, reunindo as principais forças de centro-esquerda; e outro na Plaza Itália, palco das manifestações de um ano atrás, com o Partido Comunista e sindicatos.
 
Já os apoiadores do "não" se reuniram no bairro de Providencia, em Santiago, onde acolheram uma caravana de automóveis que havia partido cinco dias antes de Puerto Montt.
 


Fonte: SPUTNIKNEWS





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
19/02/2013
FRANÇA - Crescimento do PIB não alcançará os 0,8% previstos pelo governo
 
19/02/2013
BOLIVIA - Estatização dos Aeroportos
 
19/02/2013
EXPORTAÇÕES DE SUCO DE LARANJA - Governo dos EUA retira zeroing e Brasil suspende processo na OMC
 
19/02/2013
EUA & UNIÃO EUROPEIA - Acordo de Livre Comércio traz desafios ao Brasil
 
18/02/2013
G-20 NA RÚSSIA - "Sem intenção de criar conflito cambial"
 
18/02/2013
ARSENAIS NUCLEARES - Redução proposta pelos EUA lhe traria supremacia militar
 
FMI - Reforma financeira internacional continua sendo prioridade 17/02/2013
FMI - Reforma financeira internacional continua sendo prioridade
 
G20 NA RÚSSIA - Ministros do G20 discutem reforçar taxação sobre multinacionais 16/02/2013
G20 NA RÚSSIA - Ministros do G20 discutem reforçar taxação sobre multinacionais
 
15/02/2013
ONU - França apoia candidatura da Índia para compor o Conselho de Segurança
 
IRÃ - Novas centrífugas no 14/02/2013
IRÃ - Novas centrífugas no "estado da arte" já em funcionamento
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites