Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

07 de Setembro de 2019 as 09:19:50



O MERCADO, 06.09: Ibovespa sobe a 102.935 pts (+0,68%). Dólar cai a R$ 4,080



Diário do Mercado na 6ª feira, 06.09.2019
 
Ibovespa impulsionado por expectativas de quedas de juros
 
Comentário.
 
O índice doméstico operou em alta ao longo de todo o pregão e descolado positivamente dos  índices de Nova York, perfazendo a terceira elevação seguida, apoiado nas ações do setor de bancos.
 
Em suma, mercado doméstico foi favorecido pelo aumento da visão dos agentes de queda de 50 pts-base na taxa Selic pelo Copom e com a precificação da baixa de 25 pts na taxa de juros nos EUA pelo Fomc – ambas as decisões marcadas para o próximo dia 18 de outubro.
 
Externamente, os índices acionários encerraram divergentes, mas não longe da estabilidade, por conta da frustração com o payroll (criação de vagas na economia), que veio abaixo do consenso, levantando a ideia que o avanço da economia local talvez não esteja tão consistente quanto os investidores estavam imaginando.
 
No Brasil, o dólar comercial fechou cotado a R$ 4,0800 (-0,73%), sendo esta a primeira semana de baixa após sete semanas subindo. Os juros futuros tiveram pequenos recuos até o médio prazo, mas leves elevações a partir daí em direção aos vencimentos mais longos. 
 
Ibovespa.
 
O índice subiu após sua abertura e passou circundar o eixo dos 102.800 pts ao longo da sessão, tendo chegado a superar algumas vezes na parte da tarde os 103.000 pts.
 
O Ibovespa fechou aos 102.935 pts (+0,68%), acumulando +1,78% na semana (e no mês), +17,12% no ano e +34,70% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 13,925 bilhões, sendo R$ 12,788 bilhões no mercado à vista.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
No dia 4 de setembro (último dado disponível), a bolsa denotou entrada líquida de R$ 305,987 milhões em capital estrangeiro, acumulando saldo negativo de -R$ 2,073 bilhões no mês. Em 2019, o total acumulado mostra saída líquida de R$ 24,302 bilhões.
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, o IPCA variou +0,11% em agosto ante +0,19% em julho, em linha com o consenso de mercado. O grupo Habitação (+1,19%), impactado pela mudança de bandeira amarela para bandeira vermelha nível 1, foi a maior contribuição ponderada para o índice geral, em +0,19 p.p.
 
Já o grupo Alimentos e Bebidas (-0,35%) foi a maior participação ponderada para a desaceleração, com -0,09 p.p.; depois, o grupo Transportes (-0,39%) com parcela de -0,07 p.p.  O indicador passou a acumular +2,54% no ano e +3,43% em 12 meses. 
 
A FGV divulgou que o IGP-DI registrou deflação de -0,51% em agosto versus -0,01% em julho. Os seus subíndices assim variaram: IPA-DI em -0,90% (-0,22% em julho); IPC-DI em +0,17% (+0,31% em julho); e INCC-DI em +4,42% (+0,58% em julho). O indicador passou a acumular +3,86% no ano e 4,32% em 12 meses.
 
Nos EUA, o payroll mostrou criação de 130 mil vagas na economia em agosto frente a 159 mil em julho (revisado de 164 mil), vindo inferior ao consenso de de mercado de 160 mil. A taxa de desemprego permaneceu em 3,7%, em linha com as estimativas.
 
Câmbio e CDS.
 
O dólar recuou frente ao real - segunda divisa que mais se fortaleceu. O movimento no dia ressoou os dados do mercado de trabalho dos EUA, reforçando a percepção de corte na taxa de juros norte-americana.
 
A moeda findou cotada R$ 4,0800 (-0,73%), variando -1,50% na semana (e no mês), +5,29% no ano e -0,10% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil 5 anos cedeu a 124 pts de 126 pts na véspera.
 
Juros.
 
Os juros futuros encerraram a sessão regular próximos da estabilidade da véspera, com viés de queda nos contratos de curto prazo e com tendência de alta nos de médio e longo prazo.
 
Em relação à sessão anterior, assim findaram: DI janeiro/2020 em 5,34% de 5,36%; DI janeiro/2021 em 5,37% de 5,39%; DI janeiro/2023 em 6,45% de 6,43%; DI janeiro/2025 em 7,00% de 6,98%; DI janeiro/2027 em 7,31% de 7,29%.
 
Agenda.
 
Brasil: Vendas varejo, IGP-M 1ª prévia, Volume do setor de serviços e Atividade econômica;
 
EUA: Crédito ao consumidor, IPC, Índ conf consumidor Univ Michigan.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do comportamento do mercado nas 6ª feira, 06.09.2019, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos. 

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB INVESTIMENTOS





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
O MERCADO, 07.11: Ibovespa sobe 1,13% a 109.580 pts. Dólar a R$ 4,0920 (+0,24%) 08/11/2019
O MERCADO, 07.11: Ibovespa sobe 1,13% a 109.580 pts. Dólar a R$ 4,0920 (+0,24%)
 
O MERCADO, 06.11: Ibovespa  estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993 06/11/2019
O MERCADO, 06.11: Ibovespa estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993
 
O MERCADO, 05.11: Ibovespa  estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993 06/11/2019
O MERCADO, 05.11: Ibovespa estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993
 
USIMINAS Resultado no 3º trimestre/2019: NEGATIVO. 05/11/2019
USIMINAS Resultado no 3º trimestre/2019: NEGATIVO.
 
O MERCADO, 04.11: Ibovespa sobe 0,54% a 108.779 pts. Dólar sobe a R$ 4,011 05/11/2019
O MERCADO, 04.11: Ibovespa sobe 0,54% a 108.779 pts. Dólar sobe a R$ 4,011
 
DIRECIONAL Resultados no 3º trimestre/2019: Positivos, novamente. 01/11/2019
DIRECIONAL Resultados no 3º trimestre/2019: Positivos, novamente.
 
SUZANO - Resultado no 3º trimestre/2019: Positivo. OutPerform, YE20E R$ 48,00 01/11/2019
SUZANO - Resultado no 3º trimestre/2019: Positivo. OutPerform, YE20E R$ 48,00
 
O MERCADO, 01.11: Ibovespa sobe 0,91% a 108.195 pts. Dólar cai a R$ 3,994 01/11/2019
O MERCADO, 01.11: Ibovespa sobe 0,91% a 108.195 pts. Dólar cai a R$ 3,994
 
O MERCADO, 30.10:  Ibovespa, recorde a 108.407 pts. Dólar cai a R$ 3,987 30/10/2019
O MERCADO, 30.10: Ibovespa, recorde a 108.407 pts. Dólar cai a R$ 3,987
 
O MERCADO, 31.10: Ibovespa cai 1,1% a 107.219 pts. Dólar sobe a R$ 4,009 01/11/2019
O MERCADO, 31.10: Ibovespa cai 1,1% a 107.219 pts. Dólar sobe a R$ 4,009
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites