Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

Terça-Feira, Dia 03 de Setembro de 2019 as 23:09:09



O MERCADO, 03.09: Ibovespa cai a 99.680 (0,94%). Dólar estável em R$ 4,179



Diário do Mercado na 3ª feira, 03.09.2019
 
Ibovespa tem nova baixa com pressão maior do exterior
 
Comentário.
 
O índice doméstico não teve forças para sustentar a alta inicial e terminou em baixa e abaixo dos 100 mil pts. Internamente, a produção industrial recuou pelo terceiro mês consecutivo, sinalizando que a recuperação econômica ainda está patinando, propiciando aumento de apostas em queda mais firme da taxa Selic na decisão do Copom, marcada para o dia 18 deste mês.
 
Externamente, em mais um capítulo de uma história que não parece ter fim, as tensões tornaram a se elevar na guerra comercial entre EA e China. No Reino Unido, o imbróglio do Brexit, com data de saída da União Europeia marcada para 31 de outubro próximo, parece se desnortear com a disputa entre o primeiro-ministro e o parlamento britânico.
 
Ademais, pesaram sobre os mercados dados aquém dos esperados da economia norte-americana que compeliram também quedas aos índices acionários em Nova York, que foram determinantes para baixas das demais bolsas de valores pelo mundo.
 
No Brasil, o dólar comercial fechou cotado a R$ 4,1790 (-0,07%). Já a curva da estrutura a termo recuou como um todo, refletindo o dado negativo da produção industrial brasileira. 
 
Ibovespa.
 
O índice chegou a ter um repique inicial, mas, pouco depois da primeira hora de negócios, entrou definitivamente em campo negativo. Os papéis do setor de bancos foram destaques ponderados negativos e a Vale sofreu revés com a queda do preço do minério.
 
O Ibovespa fechou aos 99.680 pts (-0,94%), acumulando, -1,44% na semana (e no mês), +13,42% no ano e +30,83% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 17,843 bilhões, sendo R$ 16,061 bilhões no mercado à vista.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
No dia 30 de agosto (último dado disponível), a bolsa teve entrada líquida de R$ 962,468 milhões em capital estrangeiro, mas a saída líquida em agosto encerrou em recorde mensal de R$ 10,795 bilhões. Em 2019, o saldo acumulado está negativo em R$ 21,229 bilhões.
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, a produção industrial recuou -0,3% em julho (11 dos 26 ramos pesquisados recuaram), versus -0,6% em junho, sendo a terceira queda mensal seguida. Já em comparação com julho de 2018, o indicador teve queda de -2,5%. A produção passou a acumular variações de -1,7% no ano e -1,3% em 12 meses.  
 
Nos EUA, o ISM (índice de atividade industrial) recuou para 49,1 em agosto versus 51,2 em julho, denotando retração. Já o PMI manufatura (índice de gerentes de compras) cedeu para 50,3 em agosto ante 50,4 em julho – sendo o menor patamar desde setembro de 2019. Os investimentos em construção variaram +0,1% em julho (-0,7% em junho, vindo abaixo do consenso de mercado, em +0,3%.
 
Câmbio e CDS.
 
A divisa norte-americana encerrou “de lado” ante ao real, influenciado por dados domésticos e pelo movimento do dólar perante as divisas emergentes no mercado internacional.
 
O dólar comercial (interbancário) fechou cotado a R$ 4,1790 (-0,07%), variando +0,89% na semana (e no mês), +7,85% no ano e +0,70% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil 5 anos cedeu a 132 pts de 134 pts na véspera.
 
Juros.
 
Os juros futuros encerraram a sessão regular em queda ao longo de toda a curva, de forma mais intensa nos contratos de médio e longo prazo, com aumento da percepção de recuo ada taxa Selic pelos agentes.
 
Em relação à sessão anterior, assim findaram: DI janeiro/2020 em 5,40% de 5,43%; DI janeiro/2021 em 5,50% de 5,58%; DI janeiro/2023 em 6,56% de 6,66%; DI janeiro/2025 em 7,09% de 7,18 %; DI janeiro/2027 em 7,38% de 7,47%.
 
Para a semana.
 
Brasil: IPCA, IGP-DI;
 
EUA: Livro Bege, ADP emprego privado, Produtividade não agrícola, Custo da mão-de-obra, Pedidos de fábrica, Pedidos de bens duráveis, Payroll - Criação de vagas na economia, Taxa de desemprego;
 
Alemanha: Produção industrial;
 
Zona do euro: PIB.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do comportamento do mercado na 3ª feira, 03.09.2019, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos                  

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
EMBRAER - Resultado no 3º trimestre de 2019: NEUTRO 13/11/2019
EMBRAER - Resultado no 3º trimestre de 2019: NEUTRO
 
O MERCADO, 12.11: Ibovespa cai 1,49% a 106.751 pts. Dólar sobe a R$ 4,116 13/11/2019
O MERCADO, 12.11: Ibovespa cai 1,49% a 106.751 pts. Dólar sobe a R$ 4,116
 
O MERCADO, 11.11: Ibovespa sobe 0,69% a 108.367 pts. Dólar cai a R$ 4,142 12/11/2019
O MERCADO, 11.11: Ibovespa sobe 0,69% a 108.367 pts. Dólar cai a R$ 4,142
 
SANTANDER BRASIL  Resultados no 3º trimestre/2019: NEGATIVOS 09/11/2019
SANTANDER BRASIL Resultados no 3º trimestre/2019: NEGATIVOS
 
BRF  Resutados no 3º trimestre de 2019: POSITIVOS 09/11/2019
BRF Resutados no 3º trimestre de 2019: POSITIVOS
 
O MERCADO, 07.11: Ibovespa sobe 1,13% a 109.580 pts. Dólar a R$ 4,0920 (+0,24%) 08/11/2019
O MERCADO, 07.11: Ibovespa sobe 1,13% a 109.580 pts. Dólar a R$ 4,0920 (+0,24%)
 
O MERCADO, 06.11: Ibovespa  estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993 06/11/2019
O MERCADO, 06.11: Ibovespa estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993
 
O MERCADO, 05.11: Ibovespa  estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993 06/11/2019
O MERCADO, 05.11: Ibovespa estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993
 
USIMINAS Resultado no 3º trimestre/2019: NEGATIVO. 05/11/2019
USIMINAS Resultado no 3º trimestre/2019: NEGATIVO.
 
O MERCADO, 04.11: Ibovespa sobe 0,54% a 108.779 pts. Dólar sobe a R$ 4,011 05/11/2019
O MERCADO, 04.11: Ibovespa sobe 0,54% a 108.779 pts. Dólar sobe a R$ 4,011
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites