Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

Sexta-Feira, Dia 07 de Junho de 2019 as 22:06:14



O MERCADO, 6ª feira: Ibovespa sobe a 97.821 pts (+0,63%), Dólar cai a R$ 3,877



Diario do Mercado na 6ª feira, 07.06.2019
 
Ibovespa tem nova evolução com percepção de redução de juros
 
Comentário.
 
O índice doméstico deu continuidade a trajetória de alta da véspera. Os principais motivadores foram as visões dos agentes de possível redução de juros ainda este ano, tanto no Brasil, como nos Estados Unidos.
 
Domesticamente, houve a desaceleração da inflação, com o IPCA de maio recuando abaixo do consenso dos analistas. Externamente, a criação de vagas da economia (payroll) – indicador mais aguardado da semana, veio sensivelmente aquém do senso comum do mercado.
 
Enfim, os dados foram alicerces para expectativas de políticas monetárias mais frouxas em suas respectivas economias. Neste panorama, os índices acionários de Nova York avançaram e favoreceram as altas de outras bolsas de valores pelo mundo.
 
Vale ressaltar que no dia não houve notícias novas sobreo andamento do texto da reforma da previdência na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, que continua sendo o cerne da questão interna.
  
No Brasil, o dólar comercial baixou a R$ 3,8770 (-0,15%). A curva da estrutura a termo da taxa de juros decaiu como um todo, com destaque para os vencimentos intermediários.
 
Ibovespa.
 
O índice abriu oscilante, porém, operou sempre em campo positivo. Pouco depois de meia hora de negócios ascendeu de modo mais consistente e chegou a suplantar os 98 mil pts. A partir do meio dia, perdeu levemente a força e ficou navegando ao redor do nível supracitado. 
 
O Ibovespa fechou aos 97.821 pts (+0,63%), acumulando +0,82% na semana (e no mês), +11,30% no ano e +32,46% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 11,8 bilhões, sendo R$ 11,5 bilhões no mercado à vista.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
No dia 4 de junho (último dado disponível), houve retirada líquida de capital estrangeiro de R$ 988,997 milhões da Bolsa, com saída líquida de R$ 1,496 bilhão neste mês, após ter registrado saldo negativo de R$ 4,161 bilhões em maio. Em 2019, o total acumulado passou a R$ 5,151 bilhões.
 
Câmbio e CDS.
 
A divisa norte-americana fechou em baixa ante ao real, em sintonia com o movimento de enfraquecimento do dólar no exterior e com os investidores monitorando o desenrolar das negociações da reforma da Previdência.
 
O dólar comercial (interbancário) fechou cotado a R$ 3,8770 (-0,15%), acumulando -1,22% no mês, +0,05% no ano e -0,95% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil passou de 174 pts para 171 pts.
 
Juros.
 
Os juros futuros findaram a sessão regular em queda, sincronizados com o movimento doméstico de baixa do dólar.
 
Em relação à sessão anterior, assim findaram: DI janeiro/2020 em 6,22% de 6,27%; DI janeiro/2021 em 6,27% de 6,39%; DI janeiro/2023 em 7,18% de 7,28%; DI janeiro/2025 em 7,76% de 7,85%; e DI janeiro/2027 em 8,15% de 8,23%. 
 
Agenda Econômica. 
 
No Brasil, o IPCA desacelerou para +0,13% em maio ante +0,57% em abril, sendo o menor valor para o mês desde 2006 (+0,10%). O grupo de alimentação e bebidas (-0,56%) foi o principal responsável pela amenização da inflação no período. No ano, a inflação variou +2,22%. Já em 12 meses, o índice acumula alta de +4,66%, mantendo-se acima do centro da meta de inflação estipulada para 2019, em +4,25%. 
 
Nos EUA, o payroll (criação de vagas na economia) registrou geração de 75 mil empregos em maio. O resultado é o mais baixo desde fevereiro (20 mil) e foi inferior ao esperado pelo mercado, em 175 mil.
 
Para a próxima semana.
 
BrasilIGP-M (1ª prévia); Volume do setor de serviços; Vendas a varejo; IGP-10; Coleta de impostos e Criação de empregos formais.
 
EUA: Novos pedidos seguro-desemprego; Produção industrial e Utilização da capacidade. Alemanha e França: IPC.
 
Zona do Euro: Produção Industrial.
 
Japão: Produção industrial e Utilização da capacidade.
 
China: Balança comercial; Produção industrial.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do comportamento do mercado na 6ª feira, 07.06.2019, elaborado por HAMILTON ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos.

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos.

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
EMBRAER - Resultado no 3º trimestre de 2019: NEUTRO 13/11/2019
EMBRAER - Resultado no 3º trimestre de 2019: NEUTRO
 
O MERCADO, 12.11: Ibovespa cai 1,49% a 106.751 pts. Dólar sobe a R$ 4,116 13/11/2019
O MERCADO, 12.11: Ibovespa cai 1,49% a 106.751 pts. Dólar sobe a R$ 4,116
 
O MERCADO, 11.11: Ibovespa sobe 0,69% a 108.367 pts. Dólar cai a R$ 4,142 12/11/2019
O MERCADO, 11.11: Ibovespa sobe 0,69% a 108.367 pts. Dólar cai a R$ 4,142
 
SANTANDER BRASIL  Resultados no 3º trimestre/2019: NEGATIVOS 09/11/2019
SANTANDER BRASIL Resultados no 3º trimestre/2019: NEGATIVOS
 
BRF  Resutados no 3º trimestre de 2019: POSITIVOS 09/11/2019
BRF Resutados no 3º trimestre de 2019: POSITIVOS
 
O MERCADO, 07.11: Ibovespa sobe 1,13% a 109.580 pts. Dólar a R$ 4,0920 (+0,24%) 08/11/2019
O MERCADO, 07.11: Ibovespa sobe 1,13% a 109.580 pts. Dólar a R$ 4,0920 (+0,24%)
 
O MERCADO, 06.11: Ibovespa  estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993 06/11/2019
O MERCADO, 06.11: Ibovespa estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993
 
O MERCADO, 05.11: Ibovespa  estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993 06/11/2019
O MERCADO, 05.11: Ibovespa estável em 108.719. Dólar cai a R$ 3,993
 
USIMINAS Resultado no 3º trimestre/2019: NEGATIVO. 05/11/2019
USIMINAS Resultado no 3º trimestre/2019: NEGATIVO.
 
O MERCADO, 04.11: Ibovespa sobe 0,54% a 108.779 pts. Dólar sobe a R$ 4,011 05/11/2019
O MERCADO, 04.11: Ibovespa sobe 0,54% a 108.779 pts. Dólar sobe a R$ 4,011
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites