Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

30 de Janeiro de 2014 as 20:01:45



INVESTIMENTOS - FIBRIA, Resultados no 4º trimestre/2013



Após um ano positivo para o mercado de celulose, as expectativas para 2014 estão no balanceamento da relação oferta x demanda
 
Confira a análise elabora pelo analista Victor Pena, do BB-BI 
 
 
FIBR3                                 Market Perform
Preço em 29/01/2014      R$ 27,20
Preço para 12/2014         R$ 27,00
Potencial                           -0,7%
 
Aproveitando-se de um cenário ainda positivo proporcionado por uma demanda forte na Europa e preço de celulose estável, a Fibria apresentou um aumento no volume de vendas e no EBITDA ajustado no 4T13, mesmo diante de um preço médio praticado menor.
 
Em 2013, as vendas recuaram 3,0% em relação ao ano anterior mas,  devido à elevação de 15,5% no preço médio, também suportado pela desvalorização cambial, a companhia registrou um faturamento recorde de R$ 6,9 bilhões (+12,1% A/A).
 
Essa melhora no resultado, somada ao recebimento da primeira parcela referente à venda de terras no valor de R$ 500 milhões proporcionou à Fibria uma  nova redução no nível de alavancagem, chegando ao patamar de Dívida Líquida/EBITDA de 2,8x em reais e 2,6x em dólar
 
Menor preço médio compensa aumento das vendas
 
A elevação nos embarques para a Europa e a ausência de paradas para manutenção elevaram as vendas da Fibria em 10,7% T/T, atingindo 1,440 milhão de toneladas.
 
Entretando, o recuo no preço médio praticado (-3,8% T/T) compensou parte desse ganho de volume, resultando em uma receita líquida total de R$ 1,94 bilhão  (+6,6% T/T).
 
Em relação ao mesmo período de 2012, a receita aumentou 5,8%, com cenário contrário ao do comparativo trimestral já que a elevação no preço médio (+10,9% A/A) acabou compensando a queda nas vendas (-4,6% A/A)
 
Custo Caixa
 
Em função da ausência de paradas para manutenção e da menor participação de madeira de terceiros, o custo caixa atingiu R$ 466/ton no 4T13 versus R$ 501/ton no trimestre anterior (-7,0%), parcialmente compensado pelo excesso de chuvas na Unidade Aracruz, segundo a companhia. Em 2013, o custo caixa ficou em R$ 505/ton (+6,7% A/A), devido aos maiores gastos com madeira, insumos e desvalorização cambial.
 
Resultado Operacional e Financeiro
 
Devido à elevação no volume de vendas, que implica em maiores gastos com logística, as despesas com vendas avançaram 18,9% no 4,4% em relação ao 3T13.
 
As despesas administrativas avançaram 18,9% no mesmo comparativo, resultando em um EBITDA ajustado - que exclui a variação do valor justo dos ativos biológicos,  ganhos de capital e outras provisões - recorde para a companhia de R$ 823 milhões (+8,0% T/T e +9,3% A/A), com margem de 42,0%.
 
Já o resultado financeiro foi mais influenciado pela variação cambial em função da oscilação do dólar no final do 3T13 e do 4T13, o que acabou levando a Fibria a  registrar um prejuízo de R$ 185  milhões, versus lucro de R$ 57 milhões no 3T13 e  de R$ 48 milhões no 4T12. No ano, o prejuízo ficou em R$ 698 milhões, impactado principalmente pelo câmbio e despesa decorrente da adesão ao REFIS (R$ 560 milhões).
 
Perspectivas
 
A Fibria mostrou novamente uma redução em seu nível de alavancagem, não só beneficiada pelo foco em iniciativas de redução de custos, mas também pela liquidação de dívidas com taxas menos atrativas.
 
A recém anunciada recompra do saldo do Bond Fibria 2020 proporcionará mais economia de juros para a companhia e ainda  será suportada pelo reforço no caixa com a venda de terras em novembro de 2013 no montante de R$ 1,4 bilhão.
 
Após um ano positivo para o mercado de celulose, as expectativas para 2014 estão no balanceamento da relação oferta x demanda dado as novas capacidades que estão entrando em operação, que devem pressionar o preço da  celulose ao longo dos próximos meses.
 
Confira no anexo o relatório completo de análise dos resultados da FIBRIA no 4º trimestre/2013, elaborados pelo  analista VICTOR PENA, do BB Banco de Investimento

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: BB Banco de Investimento





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
O MERCADO, 04.12: Ibovespa subiu 1,23% a 110.300 pts, Dólar estável em R$ 4,202 04/12/2019
O MERCADO, 04.12: Ibovespa subiu 1,23% a 110.300 pts, Dólar estável em R$ 4,202
 
O MERCADO, 02.12: IBOVESPA sobe 064% a 108.927 pts. DÓLAR cai a R$ 4,211 02/12/2019
O MERCADO, 02.12: IBOVESPA sobe 064% a 108.927 pts. DÓLAR cai a R$ 4,211
 
O MERCADO, 29.11 - R$ 8,2 BI de Capitais Externos deixam a bolsa B3 em Novembro 30/11/2019
O MERCADO, 29.11 - R$ 8,2 BI de Capitais Externos deixam a bolsa B3 em Novembro
 
MEGA SENA sorteia prêmio de R$ 44 Milhões neste sábado 30/11/2019
MEGA SENA sorteia prêmio de R$ 44 Milhões neste sábado
 
BRASKEM - Resultado no 3º trimestre de 2019: Negativo 30/11/2019
BRASKEM - Resultado no 3º trimestre de 2019: Negativo
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 28.11 Avalie se convém Investir 29/11/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 28.11 Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 28.11: IBOVESPA sobe 0,54% a 108.290 pts. DÓLAR cai a R$ 4,215 28/11/2019
O MERCADO, 28.11: IBOVESPA sobe 0,54% a 108.290 pts. DÓLAR cai a R$ 4,215
 
O MERCADO, 26.11: IBOVESPA cai 1,26% a 107.059 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,244 27/11/2019
O MERCADO, 26.11: IBOVESPA cai 1,26% a 107.059 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,244
 
KLABIN DAY - Perspectiva Positiva para 2.020 26/11/2019
KLABIN DAY - Perspectiva Positiva para 2.020
 
O MERCADO, 25.11: IBOVESPA cai 0,25% a 108.423 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,214 26/11/2019
O MERCADO, 25.11: IBOVESPA cai 0,25% a 108.423 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,214
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites