Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

16 de Maio de 2022 as 00:05:49



KISSINGER: 'Vivemos uma Era Totalmente Nova' - IMPERDÍVEL -


Henry Kissinger, 98 anos, ex-secretário de Estado dos EUA
 
"Acho que não é sensato assumir uma posição contraditória a dois adversários de uma forma que os una ... A história fornecerá oportunidades em que poderemos aplicar a abordagem diferencial", afirmou o grande estrategista da Guerra Fria ao discutir o conflito entre Rússia, Ucrânia, Otan e EUA no FTWeekend Festival em Washington, em 07.05.2022.
 
Financial Times: No início deste ano, comemoramos o 50º aniversário da visita de Nixon à China, o comunicado de Xangai. Você, é claro, foi o organizador, o orquestrador deste acordo sino-americano. E foi uma grande mudança na guerra fria: você separou a China da Rússia. Parece que subimos 180 graus. E agora a Rússia e a China estão de volta a um relacionamento muito estreito. Minha pergunta inicial para você é: estamos em uma nova guerra fria com a China? 
 
Henry Kissinger: Na época em que abrimos para a China, a Rússia era o principal inimigo; mas nossas relações com a China eram as piores possíveis. Ao nos abrirmos para a China nossa opinião era que não era sensato, quando você tem dois inimigos, tratá-los exatamente da mesma forma. 
 
O que produziu a abertura foram as tensões que se desenvolveram de forma autônoma entre a Rússia e a China. [O ex-chefe de Estado da União Soviética Leonid] Brezhnev não conseguia conceber que a China e os EUA pudessem se unir. Mas Mao, apesar de toda sua hostilidade ideológica, estava pronto para iniciar conversas.
 
Em princípio, a aliança [sino-russa] é contra interesses estabelecidos, agora está estabelecida. Mas não me parece que seja uma relação intrinsecamente permanente.
 
Financial Times: Acho que seria do interesse geopolítico da América encorajar mais distância entre a Rússia e a China. Isso está errado?
 
Henry Kissinger: A situação geopolítica global sofrerá mudanças significativas após o término da guerra na Ucrânia. E não é natural que China e Rússia tenham interesses idênticos em todos os problemas previsíveis. Não acho que possamos gerar possíveis desacordos, mas acho que as circunstâncias o farão. Após a guerra na Ucrânia, a Rússia terá que reavaliar, no mínimo, seu relacionamento com a Europa e sua atitude geral em relação à Otan.
 
Acho que não é sensato assumir uma posição contraditória a dois adversários de uma forma que os una, e uma vez que levemos em consideração esse princípio em nossas relações com a Europa e em nossas discussões internas, acho que a história fornecerá oportunidades nas quais podemos aplicar a abordagem diferencial.
 
Isso não significa que qualquer um deles se tornará amigos íntimos do ocidente, significa apenas que em questões específicas à medida que surgem, deixamos em aberto a opção de ter uma abordagem diferente. No período que temos pela frente, não devemos juntar Rússia e China como um elemento integral.
 
Financial Times: O governo Biden está enquadrando seu grande desafio geopolítico como sendo democracia versus autocracia. Estou captando uma dica implícita sua de que o enquadramento atual é errado?
 
Henry Kissinger:  Temos que estar conscientes das diferenças de ideologia e de interpretação que existem. Devemos usar essa consciência para aplicá-la em nossa própria análise da importância das questões à medida que elas surgem, em vez de torná-la a principal questão de confronto, a menos que estejamos preparados para fazer da mudança de regime o objetivo principal de nossa política. Acho que, dada a evolução da tecnologia e a enorme destrutividade das armas que agora existem, [buscar a mudança de regime] pode ser imposta a nós pela hostilidade dos outros, mas devemos evitar gerá-la com nossas próprias atitudes.
 
Financial Times: Você provavelmente tem mais experiência do que qualquer pessoa viva em como administrar um impasse entre duas superpotências com armas nucleares. Mas a linguagem nuclear de hoje, que está vindo direta e rápida do [presidente russo Vladimir] Putin, das pessoas ao seu redor, onde você coloca isso em termos da ameaça que estamos enfrentando hoje?
 
Henry Kissinger:  Estamos agora [enfrentando] tecnologias em que a rapidez das trocas, a sutileza das invenções, podem produzir níveis de catástrofe que não eram sequer imagináveis. E o aspecto estranho da situação atual é que as armas estão se multiplicando em ambos os lados e sua sofisticação está aumentando a cada ano.
 
Mas, quase não há discussão internacional sobre o que aconteceria se as armas realmente fossem usadas. Meu apelo em geral, de qualquer lado que você esteja, é entender que agora estamos vivendo em uma era totalmente nova, e logramos negligenciar esse aspecto. Mas, à medida que a tecnologia se espalha pelo mundo, como acontece inerentemente, a diplomacia e a guerra precisarão de um conteúdo diferente e isso será um desafio.
 
Financial Times: Você encontrou Putin de 20 a 25 vezes. A doutrina nuclear militar russa é que eles responderão com armas nucleares se sentirem que o regime está sob ameaça existencial. Onde você acha que está a linha vermelha de Putin nessa situação?
 
Henry Kissinger:  Eu conheci Putin como estudante de assuntos internacionais cerca de uma vez por ano por um período de talvez 15 anos para discussões estratégicas puramente acadêmicas. Achei que suas convicções básicas eram uma espécie de fé mística na história russa ... e que ele se sentiu ofendido, nesse sentido, não por algo que fizemos particularmente no início, mas por essa enorme lacuna que se abriu com a Europa e o Oriente. Ele ficou ofendido e ameaçado porque a Rússia foi ameaçada pela absorção de toda essa área pela Otan. Isso não o desculpa e eu não teria previsto um ataque da magnitude ao ponto de tomar um país reconhecido.
 
Acho que ele calculou mal a situação que enfrentou internacionalmente e obviamente calculou mal também as capacidades da Rússia para sustentar um empreendimento tão grande. E quando chegar a hora de um acordo, todos precisam levar isso em consideração, que não estamos voltando ao relacionamento anterior, mas a uma posição para a Rússia que será diferente por causa disso, e não porque exigimos, mas porque eles a produziram.
 
Financial Times: Você acha que Putin está obtendo boas informações e, se não estiver, para quais erros de cálculo adicionais devemos estar nos preparando?
 
Henry Kissinger:  Em todas essas crises, é preciso tentar entender qual é a linha vermelha interna para o número oposto ... A pergunta óbvia é por quanto tempo essa escalada continuará e quanto espaço existe para uma escalada adicional? Ou ele atingiu o limite de sua capacidade, e ele tem que decidir em que ponto a escalada da guerra forçará sua sociedade a um ponto que limitará sua aptidão para conduzir a política internacional como uma grande potência no futuro.
 
Eu não tenho julgamento quando ele chega a esse ponto. Quando esse ponto for alcançado, ele escalará para uma categoria de armas que em 70 anos de existência nunca foram usadas? Se essa linha for ultrapassada, será um evento extraordinariamente significativo. Porque não passamos globalmente quais seriam as próximas linhas divisórias. Uma coisa que não poderíamos fazer na minha opinião é apenas aceitar.
 
Financial Times:: Você se encontrou com [o presidente chinês] Xi Jinping e seus antecessores; você conhece bem a China. Que lições a China está tirando disso?
 
Henry Kissinger:  Suspeito que qualquer líder chinês esteja agora refletindo sobre como evitar entrar em situação semelhante a que Putin se meteu; e como estar em uma posição na qual, diante de qualquer crise que possa surgir, eles não tenham a maior parte do mundo voltada contra eles.
 
CONFIRA em FINANCIAL TIMES a íntegra da matéria.
Clique AQUI


Fonte: Washington Posto, entrevista concedida por Henry Kissinger





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
COVID-19 na CHINA - Panorama na 1ª Semana de Julho/2022 06/07/2022
COVID-19 na CHINA - Panorama na 1ª Semana de Julho/2022
 
COVID-19 nos EUA - O Panorama na 1ª Semana de Julho/2022 05/07/2022
COVID-19 nos EUA - O Panorama na 1ª Semana de Julho/2022
 
EUA saqueia Petróleo do Iemen, política de estado já aplicada na Síria, afirma ministro 04/07/2022
EUA saqueia Petróleo do Iemen, política de estado já aplicada na Síria, afirma ministro
 
DELENDA PEQUIM - OTAN posiciona-se como instrumento dos EUA contra a CHINA 03/07/2022
DELENDA PEQUIM - OTAN posiciona-se como instrumento dos EUA contra a CHINA
 
UNIDADE DA OTAN, Disfarce de sua Crise Existencial 29/06/2022
UNIDADE DA OTAN, Disfarce de sua Crise Existencial
 
CÚPULA DO G7 na Alemanha: A Resposta ao Conflito na Ucrânia 29/06/2022
CÚPULA DO G7 na Alemanha: A Resposta ao Conflito na Ucrânia
 
Os EUA estão balançando outra cenoura para atacar a China? 28/06/2022
Os EUA estão balançando outra cenoura para atacar a China?
 
GHISLAINE MAXWELL, Pena de 20 anos de Prisão por Tráfico Sexual Teen 28/06/2022
GHISLAINE MAXWELL, Pena de 20 anos de Prisão por Tráfico Sexual Teen
 
OTAN - Encontro na Espanha irá Redefinir Estratégia, desta 3ª à 5ª feira 28/06/2022
OTAN - Encontro na Espanha irá Redefinir Estratégia, desta 3ª à 5ª feira
 
VLADIMIR PUTIN afirma que Mundo Unipolar Chegou ao Fim 27/06/2022
VLADIMIR PUTIN afirma que Mundo Unipolar Chegou ao Fim
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites