Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

10 de Maio de 2022 as 17:05:53



PETROBRAS - Resultado no 1º Trimestre/2022: Operacional Robusto, DIVIDENDOS EXCEPCIONAIS


 
PETROBRAS - Resultado no 1º Trimestre/2022
 
Operacional Robusto e Elevação nas Cotações de Petróleo trazem bons números e dividendos excepcionais
Daniel Cobucci, CNPI
do BB Investimentos
 
A Petrobras reportou em 05.05.2022 seus resultados do 1T22, com um crescimento de 23,5% no EBITDA (4% acima do consenso de mercado) e de 45% no lucro líquido (5% acima do consenso), resultando em uma distribuição de dividendos de R$ 3,72 por ação, equivalente a um dividend yield médio (ON e PN) de 11,2%, considerada a cotação de ontem. 
 
O incremento de 27% t/t nas cotações do petróleo tipo Brent foi um dos principais motivadores para o resultado, apesar da queda de 6,3% na cotação do dólar e de uma queda na receita líquida de gasolina (-7,6% t/t), gás natural (-10% t/t) e GLP (-5% t/t), efeitos que podem ser associados à venda da refinaria RLAM e que foram compensados por uma maior receita total com exportação (+5,6%), com destaque para as exportações de petróleo (+35,8% t/t).
 
Esse modelo, de aumento da dependência das exportações de petróleo, é favorável aos acionistas em condições de elevação dos preços da commodity, mas, como comentamos detalhadamente em dezembro, concentra os riscos e ignora atuações/investimentos que poderiam ser estratégicos no longo prazo, como transição energética e outros segmentos que diversificariam as receitas.
 
Desempenho financeiro. 
 
A valorização de 27% a/a do petróleo tipo Brent, em conjunto com o maior volume de vendas de petróleo no mercado interno (venda para Mataripe, antiga RLAM), colaboraram para um aumento de 5,6% t/t na receita líquida. Houve uma queda de 11% t/t no CPV, dados os menores gastos com importação de gás natural e derivados, ainda que tenha ocorrido um aumento nos custos de produção (+11% t/t), refletindo a maior produção e maiores gastos com participação governamental, que acompanha a cotação de petróleo. 
 
Considerando que as despesas administrativas e com vendas vieram estáveis, vemos um EBITDA ajustado na ordem de R$ 77,7 bilhões (+23,5% t/t). O resultado financeiro foi beneficiado pela apreciação do real frente ao dólar, o que reverteu os R$ 13 bilhões negativos do 4T21 em R$ 3 bilhões positivos. A dívida líquida caiu de US$ 47,6 bilhões para US$ 40,1 bilhões, uma redução de 15,9% ante o trimestre anterior.
 
Desempenho por segmento. 
 
O segmento de E&P apresentou EBITDA de R$ 73 bilhões, +19% t/t, dado o maior preço do Brent, ainda que tenha ocorrido um aumento de 6% no custo de extração (devido a efeito cambial e gastos com manutenção).
 
O segmento de refino foi beneficiado novamente por um efeito positivo no giro dos estoques, resultando em um lucro bruto de R$ 16,3 bilhões, +29% t/t, e um EBITDA de R$ 16,2 (+30% t/t), já que apesar dos menores volumes (venda da RLAM), houve forte incremento de margens, principalmente no diesel, acompanhando (parcialmente) a elevação nos preços internacionais. 
 
No segmento de Gás e Energia, seguiu-se a dinâmica de importação com preços mais elevados do que os previstos em contrato com consumidores, consolidando um resultado operacional negativo em R$ 2,2 bilhões. Em suma, exceto pelo resultado em G&E, temos uma percepção positiva dos números apresentados no trimestre.
 
Conclusão.
 
O bom resultado operacional e financeiro, associado a um baixo patamar de alavancagem e a perspectiva de manutenção da excepcional distribuição de dividendos são elementos que reforçam nosso viés otimista para o papel. 
 
Adicionalmente, vemos os preços de petróleo se mantendo elevados, dados os receios em relação à oferta global, principalmente com a recente confirmação de que a União Europeia deve colocar um embargo gradual aos produtos petrolíferos russos, o que favorece a companhia no curto prazo.[
 
Com o resultado recente, os múltiplos ficaram ainda mais descontados em comparação aos pares: o EV/EBITDA 2022E está em 2,3x, ante 3,9x dos pares de mercado, aumentando a percepção de desconto no papel, e sugerindo, em nossa visão, certa cautela por parte dos investidores devido à possível volatilidade relacionada às eleições presidenciais, algo comum para as ações estatais nesse período, especialmente no atual cenário de intensas discussões domésticas sobre a política de preços da companhia. 
 
Mantemos nosso preço alvo para 2022E em R$ 38,50, com recomendação Compra.
 
CONFIRA no anexo a íntegra do relatório elaborado por
DANIEL COBUCCI, CNPI, analsita senor do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: DANIEL COBUCCI. do BB INVESTIMENTOS





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
GUIA DE AÇÕES, 04.07.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir 05/07/2022
GUIA DE AÇÕES, 04.07.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir
 
GUIA DE AÇÕES, 30.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir 01/07/2022
GUIA DE AÇÕES, 30.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir
 
CONTAS PÚBLICAS - Governo Central tem segundo maior Déficit para meses de maio 29/06/2022
CONTAS PÚBLICAS - Governo Central tem segundo maior Déficit para meses de maio
 
GUIA DE AÇÕES, 28.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir 29/06/2022
GUIA DE AÇÕES, 28.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir
 
GUIA DE AÇÕES, 23.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir 27/06/2022
GUIA DE AÇÕES, 23.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir
 
GUIA DE AÇÕES, 23.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir 24/06/2022
GUIA DE AÇÕES, 23.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir
 
GUIA DE AÇÕES, 22.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir 23/06/2022
GUIA DE AÇÕES, 22.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir
 
GUIA DE AÇÕES, 21.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir 22/06/2022
GUIA DE AÇÕES, 21.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir
 
GUIA DE AÇÕES, 20.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir 21/06/2022
GUIA DE AÇÕES, 20.06.2022. VEJA AQUI AS COTAÇÕES: Avalie se convém investir
 
CARTEIRA SEMANAL de AÇÕES - De 20.06 a 24.06.2022 do BB-BI 20/06/2022
CARTEIRA SEMANAL de AÇÕES - De 20.06 a 24.06.2022 do BB-BI
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites