Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Política

27/03/2013 Quarta-Feira, Dia 27 de Março de 2013 as 13:03:33
Atualizada dia:

30/03/2013

PEC DAS DOMÉSTICAS - Texto aprovado tem vigência imediata



PEC das Domésticas estabelece direitos que dependem de normatização pelo Executivo
 
 
A PEC Proposta de Emenda Constitucional das Domésticas, aprovada ontem, 26,03 no Senado, garante direitos que passam a valer imediatamente a partir da promulgação, prevista para acontecer na próxima terça-feira, 02.04.
 
Alguns pontos da PEC, no entanto, não têm vigência automática e precisam de normatização por parte do Executivo. Isso pode ser feito por ministérios, secretarias e pela Presidência da República.
 
"A normatização é necessária porque determinados direitos geram encargos que devem ser geridos por outras pessoas, não necessariamente o patrão ou o empregado. Os parâmetros a ser aplicados nos órgãos de recolhimento ou de concessão de benefícios precisam ser estabelecidos",
 
explicou o professor de direito constitucional da UNB Universidade de Brasília, Paulo Henrique Blair de Oliveira.
 
Segundo o professor, se alguma normatização estabelecer diferenças em relação aos demais trabalhadores, será necessária a elaboração de um projeto de lei (PL) que deverá passar pelos trâmites legais no Congresso e por sanção presidencial. As exceções seriam medidas provisórias (MPs), editadas pela presidenta Dilma Rousseff e posteriormente analisadas pelas duas Casas do Congresso.
 
"Mesmo se um possível PL estabelecer diferenças em relação aos trabalhadores em geral, elas não poderão violar a igualdade que a PEC comanda. Acredito que haverá uma pressão para que haja redução da alíquota de contribuição do empregador para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para evitar demissões. Do meu ponto de vista, isso é inconstitucional. A PEC estabelece, acima de tudo, a igualdade das relações trabalhistas",
informou Blair.
 
De acordo com a Secretaria de Política para as Mulheres (SPM), há um grupo de trabalho em articulação com a Casa Civil, ainda em estágio inicial, que vai discutir alguns dos pontos que precisam ser normatizados – como o pagamento de seguro desemprego, o FGTS, o adicional noturno e o seguro contra acidentes de trabalho. Ainda não há prazo para a publicação das normas.
 
Ontem, a secretária de Autonomia Econômica das Mulheres da SPM, Tatau Godinho, acompanhou a votação da PEC no Congresso e informou que as novas regras não deverão ter impacto muito significativo sobre os patrões que já pagam os direitos trabalhistas das domésticas.
 
O consultor em emprego doméstico Mario Avelino, por outro lado, estima que haverá algo em torno de 800 mil demissões de empregados domésticos com carteira assinada - aproximadamente 80% do total de cerca de 1 milhão de trabalhadores formais no setor.
 
Mesmo sem a vigência da PEC, os empregados domésticos – entre os quais estão as empregadas, jardineiros, motoristas, cuidadores, babás, entre outros empregados que tenham vínculo empregatício dessa natureza – têm direito a remuneração não inferior a um salário mínimo (R$ 678,00), décimo terceiro salário, folga semanal remunerada, férias, licença-maternidade e paternidade e aposentadoria.
 
A expectativa é a de que, no dia 2 de abril, haja a promulgação da PEC, quando então os direitos da proposta que não dependem de regulamentação passam a vigorar.
 
Entre eles, estão a jornada de trabalho de 44 horas semanais e jornada diária máxima de 8 horas de trabalho, o pagamento de hora extra correspondente a 50% da hora trabalhada, a proibição de trabalho noturno, perigoso, insalubre e a admissão de menores de 18 anos.
 
 


Fonte: Agência Brasil

 
Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
24/07/2014
ATIVISTAS - Desembargador concede habeas corpus para 23 ativistas no Rio
 
23/07/2014
REFINARIA DE PASADENA - TCU isenta Dilma Rousseff e responsabiliza diretores da Petrobras
 
22/07/2014
ELEIÇÕES - Dilma tem 38% das intenções de voto; Aécio, 22% e Campos, 8%, segundo IBOPE
 
20/07/2014
ELEIÇÕES - Pesquisa mostra Dilma com 31,6%, Aécio com 21,1% e Campos com 7,2%
 
18/07/2014
JADLOG - Franquia de encomenda expressa com investimento até R$ 30 mil
 
11/07/2014
ELEIÇÕES - Pendências em registros de candidatos à Presidência
 
10/07/2014
COPA - Derrota do Brasil não interferirá nas eleições, diz Gilberto Carvalho
 
08/07/2014
STF - Joaquim Barbosa adia sua aposentadoria
 
03/07/2014
ATENTADO DO RIO CENTRO - Justiça Federal determina trancamento do caso
 
02/07/2014
ELEIÇÕES - Bancada do PTB na Câmara decide apoiar reeleição de Dilma Rousseff
 
Facebook Jornal  Franquia Twitter Jornal  Franquia
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009