Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

12 de Março de 2013 as 23:03:31



PRÉ SAL - Deve haver muito mais óleo do que o previsto, declara autoridade



Reserva de um dos campos do pré-sal da Bacia de Santos é 1 bilhão de barris de óleo
 
Deve haver muito mais óleo do que o previsto até então, declara autoridade do Ministério das Minas e Energia
 
O secretário de Petróleo, Gás e Recursos Renováveis do Ministério de Minas e Energia, Marco Antônio Martins Almeida, disse que a expectativa de reserva na área de pré-sal, somente no Campo Bloco Marítimo Bacia de Santos 8 (BM-S-8), é 1 bilhão de barris de óleo.
 
Na avaliação dele, as descobertas que estão sendo feitas mudam as expectativas porque têm as quantidades superiores.
 
“Há uma série de áreas que foram descobertas e ainda não foram avaliadas. Tenho uma série de áreas que já estão loteadas, que ainda não foram ofertadas e nem descobertas . Mas estão avaliadas e têm um potencial enorme e são áreas bastante significativas”,
disse.
 
Almeida explicou que as descobertas que estão sendo feitas na Bacia de Santos mudam  completamente as perspectivas na área, porque são completamente diferentes.
 
“São descobertas que têm uma área pequena, mas uma espessura muito grande. São descobertas que têm 400 metros com óleo e mais 400 metros com óleo em áreas fraturadas em baixo, quer dizer são 800 metros . Isso muda completamente a perspectiva. Essas áreas podem dar até 1 bilhão de barris e você olha na superfície é um chapéu de cozinheiro”,
disse.
 
O secretário acredita que devem haver mais áreas semelhantes à do BM-S-8 na Bacia de Santos.
 
“Deve ter muito mais dessas estruturas na Bacia de Santos do que aquilo originalmente previsto. O que eu quero dizer é que existe um potencial enorme nessa área do pré-sal. Esse potencial vai ser desenvolvido com o tempo. Cada vez que o tempo passa a gente vai tendo surpresas bastante agradáveis, pelo menos assim tem sido até agora e a gente espera que continue”,
disse. 
 
Sobre o etanol, o secretário defendeu uma avaliação do mercado. Segundo ele, o Brasil estimula muito etanol, mas não a qualquer custo. Ele avaliou que a demanda tem crescido em velocidade muito grande e não é um reflexo apenas da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os automóveis.
 
“Não é problema de IPI só. É um problema bom.  A população está tendo dinheiro para comprar carro. A população tem dinheiro para comprar gasolina. Tem mais carro na rua, mas acho que faz parte do negócio. É a mesma coisa de falar que vamos aumentar muito o consumo de energia no Brasil. Tudo bem, mas o nosso consumo per capta em comparação ao mundo é muito pequeno. Nós precisamos ter mais consumidores de gasolina. Isso é bom para o país. Significa ter uma população que não estava no mercado e que está entrando no mercado”,
disse.
 
De acordo com o secretário, o governo está tentando criar condições para reduzir custo de produção  de etanol, que para ele, é o grande problema do setor.
 
“O custo de produção de etanol subiu demais, porque a expectativa de preço da gasolina, crescente, nos últimos anos, levou produtor de etanol a pagar um arrendamento de terra o dobro que a soja pagava. Agora a coisa apertou. Acabou as vacas gordas de botar 100 usinas em um ano como foi em 2008. Acabou aquele período. Temos que ser competitivos. Vai ter que entrar o etanol de segunda geração reduzindo custo, vão ter que entrar as canas geneticamente modificadas, resistentes às secas, à floração antecipada, às geadas”,
disse.
 
O secretário disse que, além de um trabalho do governo, baixando imposto, aumentando percentual de mistura e liberando financiamento, é preciso a ação dos produtores reduzindo custo de produção.
 
“As duas coisas têm que acontecer”,
explicou.
 
Pelos cálculos de Almeida, com base na safra atual, a expectativa é registrar um crescimento na produção de etanol entre 10% a 15%.
 
“Para esta safra vamos subir de maneira significativa a produção”.
 
O secretário participou nesta 3ª feira, 12.03.2013, em um hotel de Copacabana, na zona sul do Rio, de uma conferência do setor de petróleo, organizada pelo departamento responsável pela promoção do comércio internacional e investimento estrangeiro do governo britânico.


Fonte: Agência Brasil





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
CONTAS EXTERNAS registram déficit de US$ 6,5 em Transações Correntes no ano 23/10/2020
CONTAS EXTERNAS registram déficit de US$ 6,5 em Transações Correntes no ano
 
DESEMPREGO chega a 13,5 milhões  em setembro, diz o IBGE 23/10/2020
DESEMPREGO chega a 13,5 milhões em setembro, diz o IBGE
 
RESTITUIÇÃO DE IR - Receita abre Consulta nesta 6ª feira 23/10/2020
RESTITUIÇÃO DE IR - Receita abre Consulta nesta 6ª feira
 
CÂMBIO - Dólar fecha em leve queda a R$ 5,594. nesta 5ª 23/10/2020
CÂMBIO - Dólar fecha em leve queda a R$ 5,594. nesta 5ª
 
INFLAÇÃO das Famílias Pobres é 3 Vezes Maior do que das Ricas, diz o IPEA 14/10/2020
INFLAÇÃO das Famílias Pobres é 3 Vezes Maior do que das Ricas, diz o IPEA
 
DÓLAR encerra em alta descolado das principais moedas 08/10/2020
DÓLAR encerra em alta descolado das principais moedas
 
ÍNDICE DE REABERTURA DA ECONOMIA: Nível de Atividade 9,5% Abaixo da Pré-Pandemia 07/10/2020
ÍNDICE DE REABERTURA DA ECONOMIA: Nível de Atividade 9,5% Abaixo da Pré-Pandemia
 
FMI prevê recuo de 5,8% para Economia Brasileira 06/10/2020
FMI prevê recuo de 5,8% para Economia Brasileira
 
REFORMA TRIBUTÁRIA Equipe Econômica não decidiu se Tributará Lucros e Dividendos 05/10/2020
REFORMA TRIBUTÁRIA Equipe Econômica não decidiu se Tributará Lucros e Dividendos
 
CÂMBIO Dólar fecha a R$ 5,56 na maior queda diária em 5 semanas 05/10/2020
CÂMBIO Dólar fecha a R$ 5,56 na maior queda diária em 5 semanas
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites