Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

13 de Dezembro de 2019 as 17:12:55



SETOR FINANCEIRO - Analise do Desempenho na Bolsa de Valores 3º trimestre/2019



Relatório de Pesquisa
 
Setor Financeiro
 
Projeção de receita menor, com um custo de capital também em queda. 
 
Revisamos nossas projeções e apresentamos novos preços-alvo para 2020 para Itaú, Santander e Banco ABC. Incorporamos
 
(i)   os resultados do 3T19,
(ii)  as perspectivas para o setor financeiro para os próximos anos e
(iii) a redução do custo de capital no Brasil.
 
Perspectivas setoriais. 
 
Durante 2019, os bancos adotaram uma estratégia de revisão do mix de suas carteiras de crédito, priorizando linhas mais rentáveis. Esse movimento permitiu que as receitas de juros subissem, ainda que de forma tímida. Contudo, o desempenho geral das ações do setor permaneceu ligeiramente abaixo do Ibovespa.
 
No segmento de atacado – ao qual o Banco ABC é mais exposto –, percebemos um cenário menos direcionado ao crescimento do crédito, visto que as empresas têm acessado o mercado de capitais em contrapartida às linhas de crédito tradicionais. Esse fato gerou uma pressão na receita de juros dos bancos de atacado.
 
Por outro lado, o segmento foi beneficiado por um mercado de capitais mais aquecido, permitindo uma elevação nas receitas de prestação de serviços.
 
Diante dessas observações, revisamos nossos modelos, incorporando os pontos citados acima, e consequentemente atualizamos nossas recomendações para ITUB4, SANB11 e ABCB4, dando sequência aos novos preços divulgados para BBDC4 BBDC4, BIDI4, BPAC11.
 
ITAÚ UNIBANCO
 
Em nossas novas estimativas, assumimos um crescimento da receita abaixo do projetado anteriormente, uma vez que os resultados trimestrais não vieram conforme esperávamos no início do ano. Para os próximos trimestres, acreditamos que a companhia continuará conseguindo tirar proveito de sua estratégia de melhora de mix, com destaque para o ganho de market share no segmento de MPE.
 
Quanto às receitas de serviços, mantemos o desempenho próximo do que já vem apresentando nos últimos períodos. No entanto, algumas linhas deverão continuar em tendência de queda (ex: conta corrente e cartões), enquanto outras ganharão força (ex: asset management, mercado de capitais).
 
Riscos para a nossa tese de investimento.
 
Os riscos para nossa tese de investimento incluem
 
(i)   um crescimento da carteira de crédito abaixo do esperado
(ii)  um aumento na inadimplência
(iii) crescimento das fintechs em velocidade maior que o esperado, potencializando os impactos de queda de receitas de produtos de conta corrente.
 
Valuation. 
 
Nosso preço-alvo deriva de um método de desconto de dividendos em termos nominais, com uma taxa de perpetuidade (g) de 6,0% e um Ke de 12,3%. O preço alvo para 2020 é R$ 43,80 (o preço alvo para 2019 era de R$ 45,00), com recomendação de outperform.
 
SANTANDER
 
Os resultados dos últimos trimestres vieram abaixo das nossas estimativas, na nossa opinião. Porém, continuamos com a tese de que o banco tem potencial para continuar crescendo no Brasil, corroborado sua importância dentro do resultado total do Santander.
 
No último resultado, a operação no Brasil representou cerca de 30% do resultado global do grupo, sendo o país de maior relevância (Espanha fica em segundo lugar, com 15%).
 
As receitas de crédito e serviços foram revisadas para baixo após a incorporação dos resultados divulgados. Entretanto, a velocidade de crescimento foi praticamente mantida, devido ao fato de não enxergarmos mudança considerável na capacidade do Santander em crescer suas receitas. Por outro lado, alteramos nossa projeção da inadimplência, que já vem demonstrando sinais de piora, consequência da adoção de um novo mix de carteira.
 
Riscos para a nossa tese de investimento. 
 
Os riscos para nossa tese de investimento incluem
 
(i)    um crescimento da carteira de crédito abaixo do esperado
(ii)   um aumento na inadimplência
(iii)  crescimento das fintechs em velocidade maior que o esperado, potencializando os impactos de queda de receitas de produtos de conta corrente. 
 
Valuation. 
 
Nosso preço-alvo deriva de um método de desconto de dividendos em termos nominais, com uma taxa de perpetuidade (g) de 6,0% e um Ke de 12,4%. 
 
O preço alvo para 2020 é de R$ 50,20 (o preço alvo para 2019 era de R$ 51,00) com recomendação de outperform.
 
ABC BRASIL
 
O banco ABC vem passando por uma reestruturação, a qual se resume em atender um novo segmento anteriormente fora do foco do banco, que são os clientes com faturamento bruto anual de R$ 30 – 250 milhões. Nesse sentido, o banco vem aumentando o headcount, investindo em sistemas e tecnologia, além de realizar algumas reestruturações internas. Diante disso, incorporamos esse novo cenário no nosso modelo do Banco ABC, acreditando que os frutos desse movimento só começarão a ser colhidos no período de 2 anos à frente.
 
As receitas de crédito devem permanecer crescendo nos próximos anos, mas em um ritmo mais lento que o previsto anteriormente. A pressão sobre o spread junto com o momento difícil de concessão de crédito para o Large Corporate são os principais drivers que reduzem a velocidade de crescimento do NII. Por outro lado, o avanço em nichos que não eram atendidos pelo banco, além do potencial de crescimento no corporate, servem como contrapeso para permitir um crescimento das receitas de crédito.
 
Quanto às receitas de serviços, projetamos um crescimento menor para os próximos trimestres, com um desempenho bem abaixo do esperado da linha de garantias. Já as despesas não juros, de acordo com nossas estimativas, crescerão bem acima da inflação dada a reestruturação recente.
 
Riscos para a nossa tese de investimento. 
 
Os riscos para nossa tese de investimento incluem
 
(i)  um crescimento da carteira de crédito abaixo do esperado, principalmente nos nichos que estão tentando acessar e 
(ii) um aumento na inadimplência acima do projetado.
 
Valuation. 
 
Nosso preço-alvo deriva de um método de desconto de dividendos em termos nominais, com uma taxa de perpetuidade (g) de 6,0% e um Ke de 12,4%. O preço alvo para 2020 é de R$ 20,80 (o preço alvo para 2019 era de R$ 21,00) com recomendação de outperform.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório a respeito preparado por VINICIUS SOARES, CFA, e WESLEY BERNABÉ, CFA, do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: VINICIUS SOARES, CFA, e WESLEY BERNABÉ, CFA, do BB Investimentos

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
O MERCADO, 22.01: IBOVESPA sobe 1,17% a 118.391 pts, DÓLAR cai a R$ 4,175 23/01/2020
O MERCADO, 22.01: IBOVESPA sobe 1,17% a 118.391 pts, DÓLAR cai a R$ 4,175
 
O MERCADO, 21.01: IBOVESPA cai 1,54% a 117.026 pts DÓLAR sobe a R$ 4,205 22/01/2020
O MERCADO, 21.01: IBOVESPA cai 1,54% a 117.026 pts DÓLAR sobe a R$ 4,205
 
DÓLAR fecha no maior valor do ano: R$ 4,206 22/01/2020
DÓLAR fecha no maior valor do ano: R$ 4,206
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 20.01, 2ª feira. Avalie se convém Investir 21/01/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 20.01, 2ª feira. Avalie se convém Investir
 
MARKET UPDATE - Destaques na Economia - 17.01.2020 18/01/2020
MARKET UPDATE - Destaques na Economia - 17.01.2020
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.01, 6ª feira. Avalie se convém Investir 18/01/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.01, 6ª feira. Avalie se convém Investir
 
RENDA FIXA - O Mercado Secundário de Debêntures sob Ótíca do Retorno em 17.01.2010 18/01/2020
RENDA FIXA - O Mercado Secundário de Debêntures sob Ótíca do Retorno em 17.01.2010
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 16.01 Avalie se convém Investir 16/01/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 16.01 Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 14.01: IBOVESPA sobe 0,26% a 117.632 pts. DÓLAR caiu 0,29% a R$ 4,129 14/01/2020
O MERCADO, 14.01: IBOVESPA sobe 0,26% a 117.632 pts. DÓLAR caiu 0,29% a R$ 4,129
 
O MERCADO, 15.01: IBOVESPA cai 1,04% a 116.414 pts. DÓLAR sobe 1,31% a R$ R$ 4,183 15/01/2020
O MERCADO, 15.01: IBOVESPA cai 1,04% a 116.414 pts. DÓLAR sobe 1,31% a R$ R$ 4,183
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites