Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

Terça-Feira, Dia 19 de Novembro de 2019 as 00:11:53



O MERCADO, 18.11: IBOVESPA ca 0,27% a 106.269 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,205



Diário do Mercado na 2ª feira,18.11.2019
 
Ibovespa termina cedendo - cautela ainda com acordo comercial
 
Comentário.
 
O índice brasileiro, em dia de vencimento do exercício de opções sobre ações, tentou de início se ajustar as altas ocorridas nos mercados acionários de Nova York na sexta-feira passada, quando foi feriado no Brasil.
 
Todavia, sem notícias favoráveis domésticas, inclusive com citação de membro do governo que a reforma administrativa poderá não sair no curto prazo, os investidores optaram pela cautela diante ainda da não concretização do acordo comercial entre EUA e China, levando o índice a ceder.
 
Anteriormente, os agentes tinham a perspectiva que poderia ter sido consumada a chamada “fase 1” do acerto entre os países até o dia 15 de novembro.
 
As bolsas de valores norte-americanas terminaram levemente em campo positivo, bem próximas da estabilidade.
 
No Brasil, o dólar comercial encerrou em sua cotação histórica máxima de fechamento (Plano Real), valendo R$ 4,2050 (+0,29%). Os juros futuros curtos findaram não distantes da estabilidade, enquanto os contratos intermediários (destacadamente) e os longos subiram.   
 
Ibovespa.
 
O índice abriu ascendente, se ajustando a alta ocorrida em Nova York na sexta-feira passada, que foi feriado no Brasil, e passou a maior parte do dia oscilando ao redor dos 107 mil pts (+0,41%). Nas duas horas finais, perdeu força rapidamente e tornou-se logo negativo, encerrando com pequena baixa. As ações da Petrobras e do setor de bancos pesaram sobre o índice.
 
O Ibovespa fechou aos 106.269 pts (-0,27%), acumulando -0,89% no mês, +20,92% no ano e +20,06% em 12 meses. O giro financeiro preliminar total da Bovespa foi de R$ 27,0 bilhões, incluindo o exercício de opções sobre ações de R$ 8,892 bilhões (R$ 5,506 bilhões em opções de compra e R$ 3,386 bilhões em opções de venda), tendo o mercado á vista negociado R$ 16,4 bilhões.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
No dia 12 de novembro (último dado disponível), a Bovespa registrou retirada líquida de capital estrangeiro de -R$ 200,863 bilhão, com a saída líquida indo a -R$ 4,172 bilhões em novembro.
 
Em 2019, o saldo negativo líquido acumulado passou a -R$ 34,577 bilhões.
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, o IPC-S / FGV variou +0,10% na segunda quadrissemana de novembro versus +0,01% na anterior. A balança comercial brasileira apresentou saldo negativo de -US$ 482 milhões na semana entre 11 e 17 de novembro, passando a acumular déficit de -US$ 430 milhões no mês, mas superávit de US$ 34,491 bilhões no ano.
 
Câmbio e CDS.
 
O dólar comercial (interbancário) avançou e terminou em sua máxima cotação histórica de fechamento, desde o Plano Real (1994). Ainda pairam no ar as questões envolvendo o acerto comercial entre EUA e China, que era esperado pelos agentes que fosse assinado até a sexta-feira passada, dia 15.
 
A moeda fechou cotada a R$ 4,2050 (+0,29%), acumulando +4,81% no mês, +8,52% no ano e +12,49% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil 5 anos passou a 125 pts ante 122 pts anterior.
 
Juros.
 
Os juros futuros tiveram mais um dia de ajustes. As taxas curtas terminaram não distantes da estabilidade. Já os contratos intermediários foram novamente destaque na alta, enquanto os vencimentos longos denotaram pequenas elevações.
 
A subida do dólar influenciou o comportamento no dia. Em relação ao pregão anterior, assim fecharam os contratos: DI janeiro/2020 em 4,72% de 4,73%; DI janeiro/2021 em 4,68% de 4,64%; DI janeiro/2022 em 5,30% de 5,25%; DI janeiro/2023 em 5,82% de 5,75%; DI janeiro/2025 em 6,36% de 6,33%; DI janeiro/2027 em 6,68 de 6,66%.
 
Agenda.
 
Brasil: IPC FIPE, IGP-M 2a prévia, Confiança industrial CNI, Coleta de impostos, Caged, IPCA-15;
 
EUA: Construção e Alvarás de casas novas;
 
Alemanha: PIB, PMI Manufatura Markit/BME;
 
França: PMI Manufatura Markit;
 
Zona do euro: OECD Economic Outlook;
 
China: 1-Year Loan Prime Rate, 5-Year Loan Prime Rate.
 
Confira no anexo a íntegra do relatorio sobre o comportamento do mercado na 2ª feira, 18.11.2019, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos.

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, do BB Investimentos

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
RENDA FIXA - Mercado Secundário de Debêntures e Índices BB Debitum - 01.12.2020 02/12/2020
RENDA FIXA - Mercado Secundário de Debêntures e Índices BB Debitum - 01.12.2020
 
GUIA DE AÇÕES, 01.12.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir 02/12/2020
GUIA DE AÇÕES, 01.12.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir
 
PETROBRAS DAY - Flash de Mercado: Alinhando as Expectativas 02/12/2020
PETROBRAS DAY - Flash de Mercado: Alinhando as Expectativas
 
BRASKEM  Flash de mercado - Reunião Apimec 2020 01/12/2020
BRASKEM Flash de mercado - Reunião Apimec 2020
 
GUIA DE AÇÕES, 27.11.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir 30/11/2020
GUIA DE AÇÕES, 27.11.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir
 
DOLAR cai a R$ 5,326 e IBOVESPA sobe a 110.575 pts 27/11/2020
DOLAR cai a R$ 5,326 e IBOVESPA sobe a 110.575 pts
 
GUIA DE AÇÕES, 24.11.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir 25/11/2020
GUIA DE AÇÕES, 24.11.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir
 
GUIA DE AÇÕES, 20.11.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir 23/11/2020
GUIA DE AÇÕES, 20.11.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir
 
MARKET UPDATE Semanal de 14 a 20.11.2020 Dados Recentes da Atividade Econômica nos Principais Países 21/11/2020
MARKET UPDATE Semanal de 14 a 20.11.2020 Dados Recentes da Atividade Econômica nos Principais Países
 
GUIA DE AÇÕES, 19.11.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir 20/11/2020
GUIA DE AÇÕES, 19.11.2020: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites