Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

Terça-Feira, Dia 19 de Novembro de 2019 as 00:11:59



IFI - Instituição do Senado estima redução da Dívida Pública a 80,7% do PIB



Instituição do Senado estima redução do pico da dívida pública
 
Relatório divulgado nesta 2ª feira, 18.11 pela IFI Instituição Fiscal Independente, órgão auxiliar do Senado, prevê queda no pico da dívida pública. Na projeção anterior, divulgada em maio, a instituição previa para 2025 o pico da dívida, que ficaria em 85,5% do PIB, a soma dos bens e serviços produzidos.
 
Agora, com algumas medidas já em curso, o ponto mais alto da dívida está projetado para 2024, em 80,7% do PIB.
 
“Isso tem a ver com as devoluções do BNDES, com o crescimento econômico um pouco maior projetado, a evolução das receitas”, 
 
explicou Felipe Salto, diretor-executivo do IFI. Segundo o relatório, o BNDES deve devolver ao Tesouro Nacional R$ 124,76 bilhões até o fim do exercício de 2019.
 
PECs do governo
 
Salto também citou a importância de se discutir e avançar no trâmite das PEC Propostas de Emenda à Constituição apresentadas pelo governo federal no início de novembro.
 
“O ajuste fiscal ainda é muito necessário. No cenário base [cenário considerado pelo relatório o mais provável de ocorrer] a gente contempla um ajuste com despesa de pessoal, por exemplo, que vai depender de medida adicionais, como a aprovação das PECs. Elas têm uma relevância muito grande nesse quadro”, 
 
defendeu o diretor.
 
Felipe Salto se refere a três PECs: a chamada PEC do Novo Pacto Federativo, a PEC da Emergência Fiscal e a PEC dos Fundos Públicos. Para o diretor-executivo do IFI, os projetos precisam ser discutidos com profundidade durante a tramitação. Para ele, as propostas apresentam contradições.
 
“Precisa discutir os pontos polêmicos que remanescem. As PECs têm contradições entre si. A PEC dos Fundos Públicos não produz o efeito fiscal que está sendo alardeado e a PEC da Emergência Fiscal ainda tem uma confusão, que é atrelar o ajuste de longo prazo a uma regra falida, que é a regra de ouro”.
 
A regra de ouro determina que o governo não pode se endividar para financiar gastos correntes (como a manutenção da máquina pública), apenas para despesas de capital (como investimento e amortização da dívida pública) ou para refinanciar a dívida pública.


Fonte: AGENCIA BRASIL

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
DEFICIT PÚBLICO - Governo consegue zerar déficit das contas públicas ? 13/12/2019
DEFICIT PÚBLICO - Governo consegue zerar déficit das contas públicas ?
 
SIMPLES NACIONAL revoga exclusão de 14 profissões de lista do MEI 12/12/2019
SIMPLES NACIONAL revoga exclusão de 14 profissões de lista do MEI
 
SELIC  Copom reduz a 4,5% a taxa básica de juros 12/12/2019
SELIC Copom reduz a 4,5% a taxa básica de juros
 
SELIC - Prévia COPOM: BC deve reduzir Selic para 4,5% 11/12/2019
SELIC - Prévia COPOM: BC deve reduzir Selic para 4,5%
 
RECEITA FEDERAL 700 mil contribuintes caíram na MALHA FINA 09/12/2019
RECEITA FEDERAL 700 mil contribuintes caíram na MALHA FINA
 
INFLAÇÃO acelera no fim do ano 08/12/2019
INFLAÇÃO acelera no fim do ano
 
MARKET UPDATE - Principais destaques da semana: 30.11 a 06.12.2019 07/12/2019
MARKET UPDATE - Principais destaques da semana: 30.11 a 06.12.2019
 
ENDIVIDAMENTO das Famílias sobe para 65,1% 05/12/2019
ENDIVIDAMENTO das Famílias sobe para 65,1%
 
PIB - Analista diz que alta do PIB ainda não reflete recuperação total 03/12/2019
PIB - Analista diz que alta do PIB ainda não reflete recuperação total
 
PIB cresceu 0,6% no 3º trimestre/2019 03/12/2019
PIB cresceu 0,6% no 3º trimestre/2019
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites