Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

05 de Novembro de 2019 as 01:11:38



USIMINAS Resultado no 3º trimestre/2019: NEGATIVO.



USIMINAS - Resultado no 3º trimestre/2019
 
Pressões de custos nos segmentos de siderurgia e mineração; negativo
 
A Usiminas divulgou seus resultados do 3T19 em 25.10.2019, fortemente impactados por maiores custos no segmento de mineração, os quais limitaram os ganhos de vendas recordes de MF no período.
 
O segmento de siderurgia trouxe menores volumes vendido t/t, impactado por menor exportação, assim, baixando as receitas no período. 
 
Adicionalmente, com custos ainda pressionados por maiores preços de matéria prima, as margens comprimiram, prejudicando os resultados consolidados. Assim, o EBITDA veio em R$ 441 mm, abaixo dos R$ 576 mm do trimestre anterior e 24% menor que nossas estimativas.
 
Contudo, de acordo com o management durante o call com os analistas esta manhã, os resultados de ambos os negócios, siderurgia e mineração, devem melhorar no 4T19, dada a possibilidade de aumento de preços para aço e melhores preços realizados de MF.
 
Lembramos que em nosso relatório de revisão do setor, trouxemos nosso TP 2020e para USIM5 em R$ 9,00/ação, refletindo uma visão mais conservadora das condições de mercado e as entregas da companhia para 2019. As incertezas com relação à Mineração Usiminas após 2025 continuam, já que a companhia ainda não decidiu sobre o plano de ação para a unidade ainda. Mantemos o preço-alvo 2020e para USIM5 em R$ 9,00/ação com o rating de Market Perform.
 
Resultados Consolidados.
 
As receitas somaram R$ 3.850 mm, em linha com as estimativas do BB-BI (+4,2% t/t e estável a/a), em razão de (i) volumes vendidos razoáveis no período para siderurgia, mineração e bens de capital. 
 
O CPV totalizou R$ 3.374 mm, subindo 9,3% t/t, assim, pressionando as margens, impactado principalmente por maiores custos no segmento de mineração. As despesas no período foram afetadas por maiores provisões de contingência trabalhistas e civis e o reconhecimento dos créditos fiscais do PIS/Cofins. 
 
Consequentemente, o EBITDA ajustado ficou em R$ 441 mm, 24% menor que nossas estimativas, 23% menor que o trimestre anterior e 37% abaixo a/a. O capital de giro também avançou no trimestre, com a adição de R$ 622 mm, impactado pelos recebíveis da Eletrobras e o aumento sazonal dos estoques de aço e placas.
 
Siderurgia: menores margens devido à maiores custos&despesas.
 
A produção de aço bruto somou 834 kton, estável t/t e -1% a/a. Já para laminados, a produção foi de 1.043 kton, 5% menor t/t e -2% a/a. As vendas, então, chegaram a 1.033 kton, 8,3% menor que nossas estimativas e 2% menor que 2T19, com as exportações caindo 20% t/t, enquanto as vendas no MI ficaram estáveis. No período, as receitas ficaram em R$ 3.242 mm, -2,6% t/t, refletindo os menores volumes vendidos. Já para custos, houve impacto de 
 
(i)   menor diluição de custo fixo devido à menor produção, 
(ii)  maiores custos de ferro, parcialmente compensados por 
(iii) menores custos de placas compradas. 
 
O custo caixa/ton ficou em R$ 2.336/t (+2% t/t). Na mesma direção, o CPV total avançou 3,4% no período, para R$ 2.986 mm, o que, juntamente com outras despesas somando negativos R$ 126 mm de contingências civis e laborais e o ICMS no PIS/Cofins, levou a um EBITDA de R$ 213 mm, 47,2% menor que o 2T19, com a margem caindo de 12,1% para 6,6%.
 
Mineração: vendas recordes apagadas pelo impacto de custos.
 
A produção de MF no trimestre somou 2.260 kton, 1,6% abaixo das nossas estimativas, apesar de avançar 29% t/t. As vendas, por sua vez, atingiram nível recorde, totalizando 2.453 kton, 7% acima das projeções do BB-BI e 38% maior t/t, com as exportações dobrando no período, ao passo que as vendas para a Usiminas retraíram 13% t/t. Assim, as receitas somaram R$ 555 mm, +26% t/t, refletindo 
 
(i)   maiores vendas, 
(ii)  maior nível de preços de MF nos mercados internacionais, parcialmente compensados por 
(iii) menor prêmio de qualidade e 
(iv) maiores custos de frete.
 
Dado o impacto do frete, os volumes vendidos e maior volume CFR exportado, o CPV avançou 56% t/t, para R$ 329 mm.
 
Assim, apesar de apresentar venda recordes no período, o EBITDA ficou em R$ 188 mm, estável t/t, porém com margens contraindo de 33,9% ante 46,1% no 2T19.
 
Alavancagem e Resultado Financeiro.
 
O resultado financeiro veio negativo em R$ 445 mm no trimestre, refletindo
 
(i)   negativo R$ 286 mm em variação cambial,
(ii)   receita financeira de R$ 204 mm, e
(iii) despesa financeira de -R$ 362 mm.
 
Como resultado, a Usiminas reportou prejuízo líquido de R$ 139 mm, ante ganhos líquidos de R$ 171 mm no 2T19. 
 
A dívida bruta somou R$ 5.855 mm, um aumento de 7.1% t/t. A dívida líquida somou R$ 4.032 mm, reduzindo 4,5% t/t. Já a alavancagem, medida pela Dívida líquida/EBITDA ficou em 1.7x, ante 1.6x no 2T19. Durante o trimestre, houve a continuação do liability management da companhia, por meio da emissão da 7ª debentures simples, no valor de R$ 2 bi, ao custo de CDI+1,7% para a 1ª série (R$ 700 mm) e CDI+2,1% para a 2ª (R$ 1.3 bi). 
 
Ainda, os créditos do empréstimo compulsório da Eletrobras também vieram neste trimestre e ambos os créditos foram usados para pré-pagar o débito restante com os bancos brasileiros e os debenturistas da 6ª emissão.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do desempenho da USIMINAS no 3º trimestre/2019, elaborado por GABRIELA E. CORTEZ, Analista Senior, do BB Investimentos.

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: Gabriela E Cortez Analista Senior, do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
SETOR FINANCEIRO - Analise do Desempenho na Bolsa de Valores 3º trimestre/2019 13/12/2019
SETOR FINANCEIRO - Analise do Desempenho na Bolsa de Valores 3º trimestre/2019
 
RENDA FIXA Mercado Secundário de Debêntures, em 12.12.2019 13/12/2019
RENDA FIXA Mercado Secundário de Debêntures, em 12.12.2019
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 12.12 Avalie se convém Investir 13/12/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 12.12 Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 12.12: R$ 2,9 BI líquidos em Capitais Externos já deixaram a Bolsa em Dezembro; R$ 42 BI no ano. 13/12/2019
O MERCADO, 12.12: R$ 2,9 BI líquidos em Capitais Externos já deixaram a Bolsa em Dezembro; R$ 42 BI no ano.
 
O MERCADO, 11.12: IBOVESPA sobe 0,26% a 110.963 pts. DÓLAR sobe R$ 4,118 12/12/2019
O MERCADO, 11.12: IBOVESPA sobe 0,26% a 110.963 pts. DÓLAR sobe R$ 4,118
 
O MERCADO, 10.12: IBOVESPA cai 0,28% a 110.672 pts; DÓLAR sobe 0,46% a R$ 4,148 10/12/2019
O MERCADO, 10.12: IBOVESPA cai 0,28% a 110.672 pts; DÓLAR sobe 0,46% a R$ 4,148
 
O MERCADO: 09.12: IBOVESPA cai 0,13% a 110.977 pts, DÓLAR cai 0,41% para R$ 4,129 09/12/2019
O MERCADO: 09.12: IBOVESPA cai 0,13% a 110.977 pts, DÓLAR cai 0,41% para R$ 4,129
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 06.12 Avalie se convém Investir 07/12/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 06.12 Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 06.12: IBOVESPA sobe 0,46% a 111.125 pts. DÓLAR cai 1,0% a R$ 4,146 06/12/2019
O MERCADO, 06.12: IBOVESPA sobe 0,46% a 111.125 pts. DÓLAR cai 1,0% a R$ 4,146
 
O MERCADO, 04.12: Ibovespa subiu 1,23% a 110.300 pts, Dólar estável em R$ 4,202 04/12/2019
O MERCADO, 04.12: Ibovespa subiu 1,23% a 110.300 pts, Dólar estável em R$ 4,202
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites