Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia

13 de Agosto de 2018 as 02:08:32



CENÁRIO - Mercados Mais Calmos, Riscos Persistentes



Mercados mais calmos, riscos persistentes
10.08.2018
 
Nas últimas semanas, o movimento de apreciação do dólar perdeu alguma força e deu alguns sinais de estabilização. No entanto, o crescimento fora dos EUA ainda não é muito forte.
 
Isso lança dúvidas sobre a tese de uma expansão global sincronizada e deve impedir que as moedas de países emergentes ganhem muito terreno até que seus dados de atividade se mostrem mais firmes. Os riscos globais permanecem elevados. 
 
No âmbito comercial, a probabilidade e as possíveis consequências de uma guerra tarifária entre os EUA e a China vêm se tornando maiores, relegando ao segundo plano o alívio derivado de conversas mais amigáveis com a Europa.
 
Outra fonte de preocupação é o fato que, com baixa capacidade ociosa e inflação próxima à meta, o Fed teria pouco espaço para amortecer choques negativos, em um momento em que o ciclo de crescimento já está em um estágio mais avançado.
 
Assim, à medida que os juros se movem em direção à neutralidade, a economia americana deve se tornar cada vez mais vulnerável.
 
Seguindo a tendência geral, as moedas latino-americanas se fortaleceram desde o início de julho. No entanto, o crescimento ainda não é generalizado na região: Brasil e Argentina – cujas economias apresentam os maiores desequilíbrios – vem tendo desempenho mais fraco que seus vizinhos menos vulneráveis.
 
Nos países que acompanhamos, a política monetária está claramente mais apertada do que antes do recente aumento de volatilidade que atingiu os ativos de países emergentes e, neste ambiente de incerteza, novos cortes de juros são improváveis.
 
No Brasil, mantivemos nosso cenário praticamente inalterado com relação ao último mês. A produção está em processo de normalização após a paralisação dos caminhoneiros, mas indicadores recentes de atividade sugerem que o crescimento subjacente continua enfraquecendo.
 
Contidos pela incerteza sobre as reformas, dados tímidos de emprego e indicadores de confiança mais baixos vão em linha com nossa previsão de crescimento do PIB em 1,3% para este ano. Com a atividade fraca como pano de fundo, a inflação permaneceu controlada após os choques recentes e o Banco Central deve manter juros estáveis, sem se comprometer ou sinalizar movimentos no curto prazo. 


Fonte: MACRO LATAM MENSAL AGOSTO/2018 ITAÚ Depto. Pesquisa Macroeconômico





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
CÂMBIO - Dólar fecha em queda e Bovespa sobe 2,83% 17/10/2018
CÂMBIO - Dólar fecha em queda e Bovespa sobe 2,83%
 
URÂNIO Brasil exportará urânio enriquecido 02/07/2016
URÂNIO Brasil exportará urânio enriquecido
 
EMBRAER lança 2 novos modelos de Jatos Executivos: PRAECTOR 500 e 600 16/10/2018
EMBRAER lança 2 novos modelos de Jatos Executivos: PRAECTOR 500 e 600
 
16/10/2018
EMBRAER lança modelos de avião executivo
 
BANCO DO BRASIL em Ação para Apoiar Micro e Pequenas Empresas 15/10/2018
BANCO DO BRASIL em Ação para Apoiar Micro e Pequenas Empresas
 
FMI em Bali: 14/10/2018
FMI em Bali: "Brasil está bem para resistir a choques", diz Goldfajn
 
COMMODITIES aumentam participação nas Exportações 13/10/2018
COMMODITIES aumentam participação nas Exportações
 
CÂMBIO Dólar abre cotado a R$ 3,74 nesta 4ª feira 10/10/2018
CÂMBIO Dólar abre cotado a R$ 3,74 nesta 4ª feira
 
ALUGUEIS Índice usado em contratos anuais acumula alta de 10,99% 10/10/2018
ALUGUEIS Índice usado em contratos anuais acumula alta de 10,99%
 
O MERCADO 3ª feira: Ibovespa estável. Dolár cai a R$ 3,715 09/10/2018
O MERCADO 3ª feira: Ibovespa estável. Dolár cai a R$ 3,715
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009