Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

Quarta-Feira, Dia 16 de Maio de 2018 as 00:05:03



BOLETIM FOCUS, de 14.05.2018 - Comentários pelo BB Investimentos



Boletim Focus de 14.05.2018 - Comentários pelo BB Investimentos
 
PIB tem revisão para baixo e inflação segue arrefecendo
 
No relatório semanal Focus do Banco Central, nas projeções de mercado desta semana o destaque ficou por conta da revisão no consenso dos analistas sobre o crescimento do Brasil para este ano.
 
O PIB, que vinha rondando uma variação de 2,80% desde o início do ano, sofreu uma maior revisão para baixo, recuando para 2,51%, versus 2,71% na semana anterior.
 
Por outro lado, a inflação pelo IPCA teve sua estimativa reduzida pelos agentes, para 3,45% em 2018, contra 3,49% na semana passada.
 
Já em relação a outros indicares, pode ser citada a elevação da taxa de câmbio, que subiu a R$ 3,40 para o final deste ano, frente a R$ 3,37 anteriormente prevista. De toda a sorte, o cenário em geral continua favorável, mas, a expansão econômica esperada perdeu força – ressaltando que o PIB do primeiro trimestre deverá ser divulgado em 30 de maio próximo e que o dado de atividade econômica, tido como prévia do crescimento, será anunciado na próxima 4ª feira, 16.05.
 
Nesta semana, vale lembrar que também na quarta-feira (16) o Copom decidirá sobre a taxa básica de juros, já tendo anunciado antecipadamente que deverá baixá-la em 25 pts-base, para seu novo piso histórico de 6,25% a.a. – sendo também consenso de mercado. 
 
Externamente, os pontos nevrálgicos permanecem os mesmos: trajetória da taxa de juros nos EUA – cuja visão majoritária navega entre três ou quatro elevações neste ano – e tensões geopolíticas – agora envolvendo EUA e Irã na questão que envolve o acordo nuclear com o país muçulmano.
 
No Brasil, o principal indicador divulgado foi o IPCA de abril, que ascendeu a +0,22% ante +0,09% em março, inferior ao consenso de +0,28% e acima do +0,14% de abril de 2017. O índice passou a acumular +0,92% no ano, que é o patamar mais baixo desde o Plano Real (1994) para quatro primeiros meses do ano.
 
A taxa acumulada em 12 meses passou a 2,76%, frente a 2,68% até o mês de março, sendo o décimo mês consecutivo que situa-se abaixo do piso inferior estabelecido de 3,00%, nesta mesma base de comparação.
 
O grupo Saúde e Cuidados Pessoais    foi o de maior variação, em +0,91% (+0,48% em abril) e contribuiu com o metade do índice geral, impactando-o em 0,11 p.p. Os demais grupos assim variaram: Alimentação e Bebidas em +0,09% (+0,07% em março) - impacto de 0,02 p.p.; Habitação em +0,17% (+0,19 em março) - impacto de 0,03 p.p.; Artigos de Residência em +0,22% (+0,08% em março) – impacto de 0,01 p.p.; Vestuário em +0,62% (+0,33% em março) - impacto de 0,04 p.p.; Transportes em 0,00% (-0,25% em março) – impacto de 0,00 p.p.; Despesas Pessoais em +0,12% (+0,05% em março) – impacto de 0,01%; Educação em +0,08% (+0,28% em março) – impacto de 0,00 p.p.; e Comunicação em -0,07% (-0,33 em março) – impacto de 0,00 p.p.
 
Já as vendas no varejo avançaram 0,3% em março, na série com ajuste sazonal, ante retração de 0,2% em fevereiro – levemente acima da projeção de 0,2%. Já na comparação anual, o índice subiu 6,5% em relação a março de 2017, maior resultado desde abril de 2014 (6,7%).
 
Com o resultado, as vendas no comércio varejista acumulam alta de 3,8% em 2018 e de 3,7% em 12 meses. As vendas no varejo ampliado – incluindo veículos, motos e peças, bem como materiais de construção – avançaram 1,1% em março, contra variação de 0,1% na leitura anterior – acima do aguardado, de 0,7%.
 
Síntese 
 
- O IPCA baixou a estável em 3,45% (3,49% antes) e recuou a 4,00% (4,03% antes) para 2019.
A taxa Selic ficou inalterada no piso histórico de 6,25% para 2018 e em 8,00% para 2019.
O dólar subiu a R$ 3,40 (R$ 3,37 antes) para 2018 e ficou em R$ 3,40 para 2019.
O PIB baixou para 2,51% (2,70% antes) para 2018 e permaneceu em 3,00% para 2019.
O CDS (Credit Default Swap) do Brasil de 5 anos (CBIN) se manteve em 185 pts (11/maio), versus a semana anterior (4/maio).
 
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do Boletim FOCUS, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, e WESLEY BERNABÉ, CNPI, ambos do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, e WESLEY BERNABÉ, CNPI, ambos do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 19.10. Programe seu Investimento 20/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 19.10. Programe seu Investimento
 
O MERCADO na 6ª feira: Ibovespa sobe 0,44%. Dólar cai a R$3,715 19/10/2018
O MERCADO na 6ª feira: Ibovespa sobe 0,44%. Dólar cai a R$3,715
 
O MERCADO na 5ª feira: Azedou o Cenário Externo e também o Doméstico 18/10/2018
O MERCADO na 5ª feira: Azedou o Cenário Externo e também o Doméstico
 
O MERCADO na 3ª feira: Ibovespa sobe 2,83%. Dólar cai a R$ 3,722 17/10/2018
O MERCADO na 3ª feira: Ibovespa sobe 2,83%. Dólar cai a R$ 3,722
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 15.10 Programe seu Investimento 15/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 15.10 Programe seu Investimento
 
O MERCADO 2ª feira: Ibovespa sobe 0,53%. Dólar cai a R$ 3,738 15/10/2018
O MERCADO 2ª feira: Ibovespa sobe 0,53%. Dólar cai a R$ 3,738
 
LOJAS  RENNER  Investor Day 2018 e Revisão de Preço 13/10/2018
LOJAS RENNER Investor Day 2018 e Revisão de Preço
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 11.10. Programe seu Investimento 12/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 11.10. Programe seu Investimento
 
O MERCADO na 5ª feira: Ibovespa cai 0,95%. Dólar sobe a R$ 3,776 12/10/2018
O MERCADO na 5ª feira: Ibovespa cai 0,95%. Dólar sobe a R$ 3,776
 
O MERCADO 4ª feira: Mau humor externo faz Ibovespa cair 2,8% e Dólar subir a R$ 3,763 10/10/2018
O MERCADO 4ª feira: Mau humor externo faz Ibovespa cair 2,8% e Dólar subir a R$ 3,763
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009